Sorocaba: Av. Victor Andrew, 2225 - Distrito Industrial  - (15) 3225.4500     LAJEAL©2017      Nova Proposta Propaganda  

  • Facebook App Icon
  • Google+ App Icon
Please reload

Posts Recentes

LAJEAL fornece lajes para a modernização de Interlagos

August 23, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Inovação ainda é o grande dilema da construção civil

October 11, 2017

Na edição 2017 da Concrete Show, o engenheiro civil Alexandre Pandolfo – especialista em marketing e desenvolvimento comercial na construção civil – palestrou sobre o “calcanhar de Aquiles” do setor no Brasil: a dificuldade em adotar sistemas inovadores. O especialista apresentou estudo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) o qual mostra a construção civil no fim da fila ao incorporar inovação à sua capacidade produtiva.

De acordo com os dados do IBGE, na média o percentual de inovação da indústria nacional é de 35,7%, enquanto que, no setor da construção civil, limita-se a 29,6%. “Contrasta com seu tamanho. A construção civil representa 8% do PIB. É grande, mas ineficiente na incorporação de tecnologias para aumentar a produtividade”, avalia Pandolfo, que entende ser possível a transformação. “A construção civil tem ativos que vão conduzi-la à inovação”, diz.

O engenheiro civil elencou os pontos positivos da construção civil nacional que podem levar o setor a ter melhor interatividade com a inovação. Entre eles, a capacidade de investimento. Por ano, as empresas da cadeia produtiva injetam 212 bilhões de reais em compras e contratações. Outro ponto relevante é a interação dos profissionais com as redes sociais – um campo naturalmente estimulante à inovação.

Estima-se que atualmente 500 mil trabalhadores vinculados à construção civil tenham cadastro em ferramentas de relacionamento, como Facebook, Linkedin, Instagram e Twitter. Destes, 260 mil são profissionais da engenharia civil e da arquitetura, e com inscrições no Crea e no CAU. Pandolfo enumerou em sua palestra no Concrete Show que há 186 mil empresas nacionais ligadas à cadeia produtiva com potencial para implantar sistemas inovadores.

Para isso, é preciso superar obstáculos, que, de acordo com o especialista, são os seguintes:
– Cadeia produtiva altamente fragmentada, o que inibe a liderança transformadora;
– Baixa colaboração entre construtores e fornecedores, o que reduz o potencial de ganhos múltiplos;
– Baixo investimento em processos e gestão;
– Pouco acúmulo de conhecimento;
– Baixo nível de treinamento.

Investimento em P&D cai
Contribui com esses obstáculos a atual situação da economia brasileira, que acabou impondo uma redução significativa de investimentos em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento). Dados da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) revelam que o país destina apenas 1,27% do PIB à inovação, ficando atrás de Rússia, Índia, China e África do Sul – os demais países do BRICS. Em termos comparativos, a Coreia do Sul investe 4% do PIB em P&D.

Para finalizar sua palestra, Alexandre Pandolfo lembrou de ações inovadoras praticadas em outros países, e que podem ser copiadas por empresas da construção civil no Brasil. “Já existem cimenteiras usando energia renovável (eólica e solar) para abastecer sua linha de produção . Da mesma forma, fabricantes de material de construção fomentam startups para pesquisar e testar novos materiais e design em seus produtos. Será que é difícil fazer isso aqui no Brasil?”, questiona.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square